top of page
  • Foto do escritorConsultora da Desordem

A medida de todas as coisas

Atualizado: 28 de mar.


A semana passada falei sobre como podemos comunicar de uma forma firme e suave, e hoje, é sobre a medida de todas as coisas, ou seja, o que deve estar presente na nossa vida a tempo inteiro, todos já ouviram falar e poucos praticam, refiro-me à sensibilidade e bom senso.

O bom senso foi dos primeiros temas abordados aqui, e por ser essencial, vamos ver se estamos a pô-lo em prática no dia-a-dia.

Agora que já abordamos a importância do autoconhecimento, será que vivemos as nossas qualidades com bom senso?

Pegando no exemplo da autoconfiança, que é consensual que seja uma qualidade.

O excesso de autoconfiança faz de nós pessoas arrogantes ou, pode até colocar-nos em perigo de vida, se nos armarmos em campeões. Ser pouco confiante, faz de nós pessoas inseguras.

Outro exemplo: Organização - ser organizado é excelente, viver para ser organizado é paranoia ou obsessão.

Uma qualidade levada ao extremo, passa a defeito.

A diferença entre a cura e o veneno está na quantidade que se toma, e aqui entra a sensibilidade de cada um.

Se tivermos consciência do nosso comportamento, também temos noção das suas consequências.

O excesso ou carência de alguma coisa, coloca-nos numa posição em que nos sentimos acima ou abaixo dos outros e, nem uma coisa nem outra é desejável.

A nossa sensibilidade e bom senso são o barómetro da relação que temos connosco próprios. Quando nos cuidamos e respeitamos, estamos atentos ao que se passa connosco, o que se reflete na relação que temos com os outros.

Por isso é que a sensibilidade e o bom senso são a medida de todas as coisas, o sentir e o agir estão alinhados com o que é o melhor para nós e para os outros.

A sensibilidade alimenta-se do nosso amor próprio (tema muito explorado aqui), manifestamo-la pelo nível de atenção que damos a nós, aos outros e ao que nos rodeia em geral.

O bom senso alimenta-se das nossas qualidades bem calibradas, sem nos fazer passar nem por mais, nem menos do que ninguém, manifestamo-lo pelo respeito que temos por nós, pelos outros e pelo que nos rodeia.

Em relação ao nosso voo, isso aplica-se na perfeição.

Um passo de cada vez, com a confiança de quem sabe que, mais importante do que chegar, é ter sensibilidade e bom senso para apreciar o caminho que se apresenta em cada dia.

Olha, e tu? Ouves a voz da tua sensibilidade e do teu bom senso?

Commentaires


bottom of page